Archive: ‘Filmes, livros, vídeos, música..’



Irina Ionesco – fotografia, erotismo e produção.

Sunday, October 24th, 2010

As meninas do Atteliê – Fotografia Criativa fizeram um post muito bacana sobre uma campanha da marca de calçados femininos Melissa. Sempre destacando a criatividade e inovação nos seus trabalhos ou em outros, as meninas dessa vez presentearam seus leitores com um making of muito rico da campanha citada:

Uma produção pesada, com figurino riquíssimo, roteiro, estudo, percebe-se um início, meio e fim na coisa. Isso sim é produção, isso sim é “ensaio fotográfico conceitual”. Pesquisei sobre a autora das fotos e achei Irina Ionesco.

Francesa nascida em Paris, antes de descobrir a fotografia ela viajou e pintou durante muitos anos.  Em 1974 ela exibiu um pouco de seu trabalho na Galeria Nikon em Paris e chamou muita atenção. Em breve seu trabalho seria conhecido em todo mundo, publicado em revistas, livros e exposto em diversas galerias.

Na fotografia seu trabalho é descrito como erótico e a fotógrafa talvez seja mais famosa pelas suas fotografias de sua jovem filha Eva. A nudez que ela criou com Eva gerou controvérsias, devido ao fato de ela ter feito com sua filha um trabalho erótico semelhante ao que ela fez com outras pessoas, adultas. Sim, sua filha tinha, segundo algumas fontes, entre 5 a 10 anos, durante a execução das fotos.

Grande parte do trabalho de Irina é caracterizado por mulheres com poucas roupas, com uso de jóias, luvas e outras peças simbólicas, que lembram fetiches. O seu trabalho também coloca as mulheres em poses provocativas, nas quais elas mesmas se oferecem como objetos de possessão sexual.

Ousadia, autenticidade e conhecimento são as palavras que me despertaram a mente ao ler sobre Irina e ver suas imagens. Ao ver trabalhos como o dela percebo o quão estão distantes do conceito de “produção” os ingênuos fotógrafos que pensam que produzir é somente encontrar algumas peças de roupas bacanas, modelos bonitos, uma maquiagem bem feita e um lugar adequado para fotografar.

Não dá mais pra ficar fazendo “mais do mesmo”.

Canon Pixma – Making Of do vídeo promocional

Saturday, October 23rd, 2010

Quando conseguimos unir à fotografia criatividade, técnica e autenticidade os resultados obtidos são, no mínimo, impactantes! De vez em quando encontro na Internet bom exemplos desta união e há poucos dias li no Twitter um post que divulgou o vídeo de making of do vídeo promocional da série Pixma de impressoras da Canon.

Percebe-se o trabalho de profissionais gabaritados, é só dar uma olhadinha no material utilizado, nas geringonças montadas e nos títulos dos feras que encabeçaram o projeto. Muito, mas muito interessante o resultado.

Trabalhos como estes são inspiradores. “O que eu posso fazer de diferente, de impactante?” Foi a primeira pergunta que me veio à mente…

Eis o vídeo:

Canon Pixma: Bringing colour to life from Dentsu London on Vimeo.

Histórias de Alice

Thursday, March 25th, 2010

Alice é uma Kombi transformada em motor-home que leva duas pessoas que decidiram deixar São Paulo para viajar pelo interior do Brasil.

Franco Hoff e Inês Calixto são fotógrafos e também têm outras profissões e junto com a Alice percorrerão o interior do país para fotografar as “histórias narradas por pessoas simples, investigando seu jeito de ser e de viver“. O projeto ainda tem como objetivo a inserção cultural do povo interiorano utilizando a literatura, o cinema e a fotografia.

Através de fotografia ou vídeo a dupla pretende transformar em imagens os causos e mitos do povão.

ROTEIRO

Sairão de São Paulo, passarão por Alagoas, Pernambuco, Paraíba e Fortaleza, Centro-Oeste e por fim o Sul do país. Se Alice vencer o trajeto todo merecerá uma medalhinha da Volks! ;D

E A GRANA?

O projeto é bancado por doações de empresas, seja em dinheiro ou em produtos. Alice já colocou na mala alguns itens que ganhou dos parceiros: pneus, caixa de direção, câmeras fotográficas para oficinas com a criançada, GPS e outras coisas.

Quem quiser colaborar com o projeto pode fazer contato pelos emails kombihome@gmail.com.br e francohoff@hotmail.com

ALICE NA REDE
Site: www.historiasdealice.com.br
Twitter: @kombihome
Orkut
Flickr

EXEMPLO

Muito mais que fotografia, muito mais que clicar, muito mais que filmar. Franco e Inês nos dão exemplos de integração social, de benefícios gerados para a socidade através da arte, tais como: sorrisos, esperanças, sonhos, lembranças, vida!

Certa vez em uma aula com o @clubedafoto em um parque aqui de Vitória/ES fotografei uma senhora que vendia pipocas e nunca vou me esquecer do sorriso dela quando ela viu seu retrato no LCD da câmera.

Imagina a emoção, os sentimentos que a Alice despertará nas pessoas que moram nas cidades e vilarejos em que ela passar com todos as suas oficinas, atividades e idéias?

Eu ainda vou participar de algo que dê esses frutos. E com fotografia!

Referência: OlhaVê

[Atualização 1 – 02/04/10] – Fica pronta a Alice em Biscuit:

Sair do “mais do mesmo”

Thursday, February 25th, 2010

Sair do comum; parar, olhar e pensar; inovar; mudar os ângulos; mudar o foco; estudar as possibilidades de iluminação; por baixo ou por cima; de fora pra dentro ou de dentro pra fora; imaginar, criar, apagar; colorido ou em preto&branco; mudar o cenário; sugerir e pedir sugestões… porque deixamos isso tudo e muito mais pra trás e nos prendemos em fazer “mais do mesmo”?

Quantas oportunidades muito boas de tirarmos fotografias originais, autênticas, marcantes, perdemos justamente por não ousarmos?

Ousar?!

Sim! Acredito que devemos ousar no posicionamento físico: porque não sentar, ajoelhar, deitar, se esticar todo pra tirar uma foto? Isso acredito ser até básico.

E ousadia de posicionamento mental? Porque não pensar diferente? Porque não fazer um brainstorming mental na frente do motivo e visualizar todas as possibilidades de registro e colocar em prática as idéias que antes eram “malucas”?

No vídeo “The Third & The Seventh“, criado por Alex Roman essa ousadia e saída do comum é muito bem registrada! Como foi citado no post original por Alexandre Belém, o vídeo mistura realidade, ficção, dimensões e imagem e acrescento ser uma ótima fonte para vermos como perdemos ângulos interessantíssimos quando vamos fotografar. Simplesmente por não ousarmos.

Apesar do foco ser dado em objetos e arquitetura, podemos nos inspirar nas cenas do filme para criarmos novos ângulos ou olhares em fotos com outros motivos.

Eis o vídeo. E conforme recomendado no post original: Veja em tela cheia com som!

Fonte: Olhavê

A fotografia ajuda São Luís do Paraitinga

Tuesday, February 9th, 2010

A fotografia é uma das maneiras de se escrever, registrar história. Com ela perpetuamos momentos marcantes como o nascimento de um filho, o sonho do casamento na igreja, os aniversários daquela criança espoleta…

Porém, também podemos escrever momentos tristes e nos últimos tempos não faltam motivos para esse tipo de história. Com frequência vemos à nossa volta tristeza registrada em imagens… Fato recente tem sido os estragos que as chuvas têm causado no Estado de São Paulo.

São Luis do Paraitinga é considerada Estância Turistica pelo Estado de São Paulo. A cidade contava com o maior número de sobrados e casas térreas tombadas pelo Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico, Arqueológico, Artístico e Turístico (CONDEPHAAT). É uma cidade bonita que foi devastada pelas chuvas recentes. O principal ponto turístico da cidade era a Igreja Matriz, construída no séc. XVII e desmoronou sobre si mesma, tamanha foi a força das águas. Além disso, oito edifícios históricos também foram ao chão com a enchente do Rio Paraitinga.

Para ajudar a reconstrução da cidade os fotógrafos André Luís Ferreira e Carol Gonzalez lançaram o fotolivro “São Luís do Paratinga – Preservando o Passado para Reconstruir o Presente” que contém imagens de antes e depois da destruição causada pelas chuvas. O fotolivro possui impressão digital e o lucro será revertido para o desenvolvimento do turismo na cidade. A obra possui o valor de R$ 150,00 e pode ser pedida aos autores pelo e-mail alferreirafoto@uol.com.br

Ou seja, vale a pena fotografar o que está à nossa volta. Os lugares, as pessoas, os monumentos, os fatos, os acontecimentos. Vale a pena olhar a fotografia de uma forma diferente de “retratos, churrascos, festinhas”. Claro que estes fazem parte da história de cada um também e devem ser fotografados. Mas, podemos utilizar nossas câmeras simplesmente para escrever o que poucos se importam em escrever: a história do lugar em que vivemos.

Fonte: Wikipedia e Revista Fotografe Melhor (fev/10)