Archive: ‘Dicas’



Visão diferenciada

Friday, February 12th, 2010

É sabido que as pessoas têm olhares diferentes em cima de uma mesma cena e isso explica um pouco a razão de, em um mesmo motivo, visualizarmos diferentes possibilidades e obtermos diferentes fotografias.

Estamos em frente a um carrossel, colorido, com diversos cavalinhos, algumas crianças, balões de diversas cores, um pipoqueiro à esquerda, um rapaz amarrando o cadarço do tênis e mais alguns motivos e entregamos a cena para algumas pessoas “armadas” com suas câmeras. O resultado vai ser diverso: algumas vão dar um close no carrossel, umas vão dar idéia de movimento, outros vão congelar a imagem. Outras poderão tirar o foco do carrossel e prender-se ao rapaz amarrando o tênis, enquanto haverá ainda o que registrará as marcas de expressão do rosto do senhor pipoqueiro. Quem sabe surja alguém que fotografe o movimento da roda gigante que está atrás do carrossel?

Visualizar ângulos diferentes, enxergar além do que nos é óbvio, sair do senso comum é algo válido para quem quer se diferenciar em fotografia. Para quem quer descobrir ou desenvolver sua linguagem fotográfica (tema para post futuro). Desenvolver um olhar mais crítico, mais perceptivo é uma maneira de se diferenciar dos outros fotógrafos.

É claro que há aqueles que possuem um olhar mais detalhista, que se prendem aos detalhes do motivo. E há os que se encantam pela visão mais ampla da cena. Uma não é melhor que a outra, são visões diferentes e ambas têm que ser desenvolvidas, têm que ter diferencial!

Mas como desenvolver esse olhar mais perceptivo?

Rodger Savaris, fotógrafo e professor do Curso Avançado de Fotografia da Savaris Photo e do Clube da Foto, cita um exercício prático muito proveitoso:

“Pegue uma folha de papel e um lápis, sente em frente a alguma cena e escreva TUDO o que você está vendo, desde o ponto mais distante até o mais próximo aos seus olhos. Descreva detalhes, cores, perspectivas, movimento, sombras, formas, pessoas, objetos…”

Ou seja, o exercício da descrição dos motivos que estão à nossa frente nos fará aumentar a percepção dos detalhes que deixamos frequentemente passar, independente do modo que gostamos de fotografar (linguagem fotográfica).

E acredito que “enxergar coisas aonde todo mundo vê e não enxerga” possa ser um diferencial muito importante. Pois, novos ângulos surgirão, novos motivos se mostrarão, novas técnicas serão pedidas para registrar aquele momento e consequentemente obrigarão o fotógrafo a estudar, aprender tais técnicas.

Vamos praticar? 😉

“Tirar foto” é fácil

Thursday, January 28th, 2010

Tirar foto é fácil, qualquer pessoa pode comprar uma câmera e sair por aí “atirando”.

O que faz uma boa foto não é o equipamento, é o fotógrafo. Sim, é óbvio isso. Mas você já deve ter ouvido a pergunta cretina feita por alguém que vê uma foto bacana: “nossa, que equipamento você usou?”. Ou deve ter ouvido ainda a afirmação “com essa máquina qualquer foto fica boa!”… pronto, matou um fotógrafo de raiva…

Dê o mesmo equipamento para outra pessoa sem feeling, sem dom, sem preparo técnico e confira o resultado… certamente serão incomparáveis.

Vinícius Matos, grande fotógrafo brasileiro que atua em casamentos, citou que “o equipamento fundamental para as suas fotografias é ele mesmo”. Já Ronaldo César Leite, meu professor do Curso ministrado pelo @clubedafoto, com seus mais de 20 anos de experiência no ramo, ganhou um concurso com uma máquina bem simples, compacta. Provas de que a causa da boa fotografia não está no equipamento e sim na essência e no conhecimento técnico do fotógrafo.

A questão é que talvez a maioria das pessoas que empunham uma máquina fotográfica simplesmente “miram e atiram” e repousam na sorte de ter tirado uma foto boa ou gozam da facilidade, comodidade gerada pelas máquinas digitais no que diz respeito a poder tirar quantas fotos quiser até uma ficar boa.

Para ajudar a perceber a fotografia de modo diferente do que foi falado acima e assim registrar de modo único os seus momentos, cito 20 perguntas que todos os fotógrafos deveriam fazer antes, durante e depois de dar o clique. Claro que nem todas se aplicam a todos os trabalhos:

Significado

“O que eu quero dizer com esse clique?”
Fotografar é escrever com a luz. O que eu quero escrever? Qual história eu quero contar?

“Qual tipo de fotografia vai me ajudar a capturar o que eu quero dizer?”
Retrato? Natureza morta (still life)? Paisagem? Conceitual? Os objetivos direcionam os tipos de fotografia.

Pensando sobre

“O que eu deveria fotografar?”
Considere o óbvio, mas não deixe de pensar em todas as possibilidades. Deixe a mente viajar.

“Como eu posso ter acesso a pessoa ou ao que eu vou fotografar?”
É uma habilidade que difere os agraciados dos não agraciados. Você não pode fotografar algo que não está vendo. Aqui destaco o poder de seu networking.

“Qual local ou ambiente seria o melhor para este trabalho?”
Leve sempre a câmera com você e registre os lugares que você ache interessante. Um dia podem lhe servir.

“Como posso ter acesso àquele ambiente?”
Leia acima sobre acesso às pessoas.

“Existem permissões envolvidas?”
Às vezes, através da pessoa certa, você pode conseguir escapar de ingressos/permissões/proibições de acesso. Mais um ponto para o networking.

“Existe outro tipo de uso que posso dar à foto que me permitiria combinar recursos e maximizar os resultados?”
Uma vez que você visualizou uma boa oportunidade de fotografar, mas antes de fazê-lo, pense lateralmente. Quem mais usaria essa foto? Eles poderiam ajudá-lo com melhor acesso? Talvez até um suporte?

Preparando o clique

“Qual conteúdo adicionar ou quais elementos secundários ajudariam a foto?”
Isso é como um bom local irá ajudar. Procure por múltiplas opções em uma locação. A exploração do local pode mostrar outras opções ainda não vistas.

“Qual estilo?”
Novamente, objetivo direciona a foto, que por sua vez direcionam as decisões. E essas poderiam ainda ser randômicas.
Um preto e branco ficaria melhor? Mesmo que você opte por ficar com mais cores, você vai olhar diferente para o motivo.

Que tal utilização de filtros? Formatos diferentes? Ou fazer uma aplicação diferenciada da foto? Deixe a foto dirigir o estilo e não o contrário.

“Flash ou luz ambiente?”
Não é porque você entende de iluminação com flash que tem que utilizá-la.

“Ok, com flash. Como?”
Tantas opções – imitação de luz natural, luz motivada, luz estilizada. Novamente, a análise de “cima para baixo” ajuda a direção de boas escolhas.

“Qual tipo de ferramentas de iluminação utilizar?”
O estilo direciona as ferramentas! Um por do sol pode ser imitado com um SB-800 ou o farol de uma moto 800cc.

“Como eu posso encontrar a ferramenta?”
Se você não tem uma, procure pegar emprestado primeiro. Cooperar também com outros fotógrafos é uma grande idéia, por diferentes razões. Ou então aluge, ou ainda faça você mesmo.

“O que eu posso pesquisar sobre meu motivo para melhorar a probabilidade de uma boa sessão?
Quando você conhece o motivo você pode quase ouvir um suspiro de alívio. Faça sua pesquisa a respeito de tudo o que você possa pesquisar. Google, Wikipedia, pergunte à secretária, qualquer coisa.

Durante o momento dos cliques

“O que eu posso encontrar de comum entre o sujeito e eu mesmo e que eu possa usar para criar um momento, uma conexão?”
Depois de todas análises prévias, liberte-se de você mesmo para dar total atenção ao motivo. Tenha uma conversa. Fale. Ouça. Aprenda.

Procure por ligações. Elas são as chaves para a construção e extensão do tempo que você terá para fotografar. “É seu filho? Quantos anos? O meu tem 9 também!”…

Antes da conclusão

“Existe alguma coisa que eu possa retirar a partir dessa foto para melhorá-la?”
Fácil esquecer depois de todo aquele trabalho um ambiente ou contexto, aproveite o momento. Mas, frequentemente as melhores fotos são aquelas que foram extraídas de sua essência.

“Enquanto eu tenho acesso ao local, existe outra foto que eu deveria tirar para aproveitar o momento?”
sempre tire uma foto em alta qualidade, por exemplo. E rica em detalhes também, para que possa ser aproveitada em outro trabalho.

Depois da sessão
“Existem usos secundários para as fotos?”
Faça pleno uso de seu acesso às fotos.

“As fotos ou os contatos que fiz podem me ajudar novamente a obter acesso a outra oportunidade?”
Muitas oportunidades surgem dos novos contatos realizados. Compartilhe e-mails, telefones, sites, perfis na rede social. Monitore sua lista de contatos e às vezes envie fotos em baixa resolução para eles!

Um projeto bom que surge inesperadamente é otimo! Mas eu posso já iniciar uma conversa com um ou mais contatos feitos, que podem se tornar meu próximo motivo em algum dia. E isso é agrdável para eles, pois eles podem opinar, sugerir.. assim como pode ser bom para um novo motivo ser sugerido.

Fonte: Strobist

Anderson Schneider

Thursday, October 29th, 2009

Sou louco por fotografia. Louco é a definição mais próxima que pode definir o que passa por dentro de mim quando vejo um bom trabalho fotográfico, quando percebo que tenho jeito pra coisa e ainda quando vejo um objeto e não estou “armado” para registrá-lo e fico triste por isso. Sem contar que para onde eu olho procuro ver se ali daria uma boa fotografia.

Não sei porque demorei tanto tempo para adquirir uma boa máquina e estudar mais o assunto. Digamos que tudo tem seu tempo e meu tempo é esse, é agora, para aprender e me dedicar à fotografia.

Reservei minha vaga hoje para meu primeiro curso, já venho lendo bastante coisas a respeito. Mas, um curso é um curso, venhamos e convenhamos.

Há poucos minutos assisti no “Olha Vê” um vídeo que me deixou indescritivelmente extasiado, de boca aberta, sensibilizado, motivado, feliz, tive que sorrir na frente do PC, sorrir não.. GARGALHAR!!! Me arrepiei com o que vi no vídeo e compartilho aqui e cito as dicas do autor do post: “tela em fullscreen e som no talo = Headphone ou caixas de som no máximo”.

São fotos de Anderson Schneider, que registrou algo que parece ser uma corrida na lama em algum lugar do interior de Rondônia.

Mais do trabalho desse excelente profissional pode ser visto em seu site, clique aqui.

Grooveshark

Wednesday, October 28th, 2009

Grooveshark é um site que permite ouvir músicas no sistema “search for music” sem cobrar nada por isso.

Simples de mexer e com uma interface bacana, o serviço permite que você possa encontrar sua música, artista ou álbum predileto. E mais: o acervo é muito amplo, inclusive conta com diversos artistas brasileiros.

Há a possiblidade de criação de playlist, de ouvir os sons mais tocados, de classificar os sons como “favoritos” e colocar seus sons na biblioteca de forma que seus amigos possam saber o que você está ouvindo.

Recentemente teve seu layout modificado e ficou mais enfeitado com possibilidade de alteração do “skin”, embora algumas opções estejam reservadas para os usuários VIP (devem ser aqueles que entram sem pagar fila na boate).

PJ Harvey

Enjoy it

“Onde está a beleza do vale?”

Monday, September 21st, 2009

Certa vez, caminhavam um monge e um jovem discípulo pelas altas encostas de uma montanha, quando, de repente, depararam-se com um monge inerte, recostado ao penhasco. Ao se aproximarem, perceberam, pela coloração escura de seus lábios, que ele havia se suicidado. O jovem discípulo, inconformado, indagou:

– Por que ele fez isso?
O velho sábio olhou firmemente para a imensidão do horizonte e perguntou ao jovem:
– O que você vê à sua frente?
O jovem respondeu:
– A beleza do vale.
O mestre então concluiu:
– Ele viu feiúra onde você vê beleza.”

Retirado do livro “Elogio à loucura“, de Isa Oliveira, livro que estou lendo e é muito bom, muito bom. Conta a história da Sra. Dulce, uma velhinha de 66 anos que “morreu” há 30 e descobriu que tem câncer e tem poucos meses de vida. Quando ela morreu endureceu-se seu coração ao ponto de não querer amar ninguém e nem sentir dor por nada, era como se fosse um pedaço de pedra no mundo, como se apenas existisse. Nem aos filhos permitiu-se demonstrar amor.

Ao decidir escrever um livro, começa a se ouvir e então surpresas lhe ocorrem… leitura que diverte, emociona e nos faz viajar e refletir sobre amar, fazer o bem a outros, permitir ser amado e por aí vai.

Ah, só uma pergutna: O que você está vendo? Onde está a beleza do vale que está à sua frente?

[Atualização 1]
Terminei de ler e recomendo! Fez-me pensar sobre o quão são importantes os pequenos momentos, o contato com as outras pessoas, com você mesmo, como o tempo passa depressa e ficamos aprisionados a coisas dolorosas, mas que não precisam ser eternas. Mágoas vêm e vão. E, como já disse alguém, devemos ficar preparados para as decepções que virão, não vivemos num mundo cor-de-rosa, embora os gays a-m-a-m dizer isso aos quatro ventos.

Fez-me pensar também sobre fé, sobre conexão com o que acreditamos. Espiritualmente falando.