Um dia de feira

Em mais uma aula prática com o pessoal do @clubedafoto, fomos à feira livre de Jardim da Penha, um bairro de Vitória/ES. E antes de continuar o post relembro alguns objetivos das aulas práticas: exercitarmos nosso olhar em cima do que vemos associando a isso a aplicação de técnicas e macetes (muito bons) vistos em sala de aula.

Confesso que antes de ir à feira eu não me empolguei muito com a idéia. Pois, obviamente, me vieram à mente apenas bancas de alimentos, sujeira no chão, pessoas comprando… sacolas… cores das bancas.. nada de muito diferente do padrão.

Ao chegar lá me surpreendi com a organização dada pela Prefeitura, que padronizou as barraquinhas e a disposição delas de forma que o ambiente mostrou-se razoavelmente limpo  e com um bom espaço para circulação de pessoas. E esse trânsito de pessoas possibilitou ao nosso grupo boas oportunidades! E então me empolguei!

Alguns pontos nos quais me prendi naquela manhã, para aprendizado e treino:

  • – Utilização do fill-flash (mais uma vez), pois várias fotos foram tiradas em contra-luz (com o sol atrás da pessoa/objeto que eu iria fotografar e isso faz com que a pessoa/objeto fique muito escuro). E apanhei um bocado, pois havia duas preocupações: iluminar a cena e aproveitá-la, pois as pessoas passavam muito rápido.
  • – Agilidade e treino do olhar. Devido à grande movimentação de pessoas as oportunidades apareciam do nada e então logo sumiam;
  • – Formas de como abordar as pessoas para fotografá-las e pude ver que com um simples sorriso muitas vezes conseguimos boas fotos. às vezes nem é preciso falar nada.
  • – Estudo do ambiente para me acomodar de maneira que pudesse tirar boas fotos. Ora escondido, outrora no meio da rua e houve momentos ainda que cheguei a sentar no chão.

Eis algumas fotos:






Andando por trás das barracas achei uma brecha entre duas barracas que me deixava em cima de uma faixa de segurança e de onde eu poderia capturar algumas cenas de movimento…

Nesse dia pude ver que a discrição do fotógrafo também é muito importante para capturar posições espontâneas… máquina pendurada no pescoço na maioria das vezes espanta.

Veja no meu Flickr mais algumas fotos deste dia.

Tags: , ,

Gostou? Compartilhe!

2 Comentários para “Um dia de feira”

  1. Robson says:

    Caro Paulo,

    Estou admirado como você está fotografando bem.

    O mais interessante de ver suas fotos é que, assim como eu, que olhava as fotos e as achava lindas, passo, depois de ter feito meus cursos, a olhar com uma visão mais técnica e uma crítica mais consistente, tenho a convicção que você, depois de concluir seus cursos, passará a olhar com estes mesmos olhos.

    É muito bom poder ver as fotos e rememorar aquilo que foi aprendido nos cursos que participei. Quero de antemão, sem nenhum deterioramento do seu produto final, o que a meu ver ficou “fantástico”, deixar apenas uma observação nas fotos de ordem: 1, 3 e 4. Se o objetivo for aquele que estou pensando: fotos 1 (o menino com o carrinho), foto 2 (o rapaz sentado no carrinho) e foto 3 (o mendigo sentado à faixa da rua), acredito eu, diante do que me foi ensinado (o que pode não ser uma verdade absoluta), que vc deveria fazer o enquadramento baseado na visão daquele que hora é o objetivo central da foto. O que quero dizer com isso ? Se estou fotografando uma pessoa e ela está olhando para a direita, devo posicioná-la à esquerda do enquadramento e não à direita. E geralmente o objetivo deve aparecer primeiro, ou seja, quando olhamos uma foto, a primeira imagem que nos vem à mente é o que tem à esquerda (passamos o olhar da esquerda para a direita, como em uma leitura).
    Então seria só esta observação (as pessoas que compôe estas fotos e que a priori seriam o objeto principal das mesmas, deveriam estar posicionados à esquerda da foto no enquadramento da mesma).

    Bravo, Paulo

    * Vai ser ótimo podermos discurtir estas técnicas, até porque, na prática acabamos esquecendo algumas delas. Passível de todos nós

  2. Nogarol says:

    Grande Robson!

    Obrigado pelas carinhosas palavras e sim, você está certo em sua convicção: já olho as minhas fotos ( e se não o mundo ) com outros olhos! rrsrs.. E isso é muito gostoso!

    Antes de continuar: por favor, fique sempre à vontade para dar sua opinião a respeito de meus trabalhos! Acredito que somos eternos aprendizes e todas as críticas me ajudarão a subir a escada que se mostra à minha frente!

    Sobre a foto 1: No lado direito, havia um senhor com uma criança e umas bancas que não cairiam bem na composição. Tive que aplicar o enquadramento aqui registrado e tentei fazê-lo aproveitando a linha de continuidade criada pelas barraquinhas no fundo, mais escuras.

    Foto 3 – Esse foi proposital, enquadramento que eu quis foi esse mesmo rs.. gostei da idéia de movimento dos transeuntes e de soidão que o homem do carrinho me passou. A faixa de trânsito me pareceu harmoniosa com a borda superior das barraquinhas no fundo, gerando novamente uma linha de continuidade.

    Foto 4 – Na verdade eu quis registrar dois motivos o mendigo e a banca. Visualizei a seguinte cena: um mendigo na miséria contrastando com a fartura da banca de carnes que estava na frente dele.

    Valeu pelas dicas, lembrarei delas nas próximas! Abração!

Deixe um comentário