Visão diferenciada

É sabido que as pessoas têm olhares diferentes em cima de uma mesma cena e isso explica um pouco a razão de, em um mesmo motivo, visualizarmos diferentes possibilidades e obtermos diferentes fotografias.

Estamos em frente a um carrossel, colorido, com diversos cavalinhos, algumas crianças, balões de diversas cores, um pipoqueiro à esquerda, um rapaz amarrando o cadarço do tênis e mais alguns motivos e entregamos a cena para algumas pessoas “armadas” com suas câmeras. O resultado vai ser diverso: algumas vão dar um close no carrossel, umas vão dar idéia de movimento, outros vão congelar a imagem. Outras poderão tirar o foco do carrossel e prender-se ao rapaz amarrando o tênis, enquanto haverá ainda o que registrará as marcas de expressão do rosto do senhor pipoqueiro. Quem sabe surja alguém que fotografe o movimento da roda gigante que está atrás do carrossel?

Visualizar ângulos diferentes, enxergar além do que nos é óbvio, sair do senso comum é algo válido para quem quer se diferenciar em fotografia. Para quem quer descobrir ou desenvolver sua linguagem fotográfica (tema para post futuro). Desenvolver um olhar mais crítico, mais perceptivo é uma maneira de se diferenciar dos outros fotógrafos.

É claro que há aqueles que possuem um olhar mais detalhista, que se prendem aos detalhes do motivo. E há os que se encantam pela visão mais ampla da cena. Uma não é melhor que a outra, são visões diferentes e ambas têm que ser desenvolvidas, têm que ter diferencial!

Mas como desenvolver esse olhar mais perceptivo?

Rodger Savaris, fotógrafo e professor do Curso Avançado de Fotografia da Savaris Photo e do Clube da Foto, cita um exercício prático muito proveitoso:

“Pegue uma folha de papel e um lápis, sente em frente a alguma cena e escreva TUDO o que você está vendo, desde o ponto mais distante até o mais próximo aos seus olhos. Descreva detalhes, cores, perspectivas, movimento, sombras, formas, pessoas, objetos…”

Ou seja, o exercício da descrição dos motivos que estão à nossa frente nos fará aumentar a percepção dos detalhes que deixamos frequentemente passar, independente do modo que gostamos de fotografar (linguagem fotográfica).

E acredito que “enxergar coisas aonde todo mundo vê e não enxerga” possa ser um diferencial muito importante. Pois, novos ângulos surgirão, novos motivos se mostrarão, novas técnicas serão pedidas para registrar aquele momento e consequentemente obrigarão o fotógrafo a estudar, aprender tais técnicas.

Vamos praticar? 😉

Tags: , ,

Gostou? Compartilhe!

2 Comentários para “Visão diferenciada”

  1. Fala Paulo Blz?

    Pois é….me lembro quando fiz o curso de fotografia avançada com o Rodger ele me passou esse exercicio.

    Então, acho que a fotografia como a representação do real nos proporciona varios pontos de vista de um determinado motivo. Esse ponto de vista sobre uma imagem esta diretamente relacionado com a vivência do fotografo, não somente como vivência fotografica mais experiencia de vida, sua religião, musica que escuta…. Da mesma forma uma fotografia pode ter diferentes leituras, de acordo com quem vê. Bresson dizia que quando fotografamos, fotografamos com todo nosso conhecimento.

    É isso ai, abraços e seu blog esta muito bom.

    Parabens

  2. Luisa Mollo says:

    vamooooooooooo \o/

Deixe um comentário